domingo, 7 de novembro de 2010

O Loiro.

Vamos chamá- lo de loiro, é porque obviamente ele é loiro e alto e bonito, e também educado e até inteligente. Eu devia estar na 6ª ou 7ª série, e ele estava lá como monitor da escola, já na 8ª série.

Claro que ele já era alto e homem demais pra estar naquela série, mas quem ligava, o Loiro sempre lindo e legal, até mesmo com meninas como eu, que eram tipos aliens no meio daquele monte de gente querendo ser um melhor que o outro, dominar mesmo a situação. Eu sempre fazia de tudo pra estar perto dele, até mesmo me empenhar bem mais na banda da escola.

E lá estava eu, ele sabia meu nome, e nós conversavamos muito, e papos super legais, e claro, ele sabia minhas reais intenções, mas sempre foi meu amigo.

Talvez meu momento feliz foi quando que, mesmo ele saindo da escola, ele voltou como monitor novamente, e ele já não era mais aluno e sim empregado da escola, mas continuava sendo aquele cara legal e incrível de sempre. Eu continuava conversando com ele sempre e trocando várias ideias. 

Não, eu nunca tive nada que muitos papos com o Loiro, é claro que minha mãe não acredita nisso, mas quê que eu posso fazer, se essa é a dura realidade. Nem sempre uma bela história termina em final feliz, e bom eu nunca encarei esse final como infeliz, afinal o Loiro nunca me deu esperanças mesmo, sempre foi meu amigo, e eu guardo isso como um ótimo presente.

Bom, o Loiro, continua loiro, lindo e alto e, nunca se esqueceu de mim, e sempre que ele me vê na rua ou em qualquer lugar, sempre me chama e me manda beijo, e isso faz com que meu dia por mais que esteja péssimo, fique incrivelmente azul, rs.

Um comentário:

  1. ok ... vou encarar essa metafora do Loiro numa boa!

    ResponderExcluir